Despedida de solteiro entre dois machões.


Ele me olhava,estávamos sentados há dois lugares de distancia,mulheres deliciosas dançavam na nossa frente,no nosso colo,mas ele me olhava e eu não sabia o que fazer e muito o menos o que iria acontecer quando eu ficasse sozinho com ele novamente.
Para que possam entender tudo tenho que voltar ao inicio, me chamo Fernando, estou com trinta e quatro anos, solteiro convicto, tenho 1,90 de altura,100kg,sou grande,ogrão,barba,costas largas,coxas grossas,uma bunda carnuda e bem grande,pé grande,mãos grandes,braços enormes e fortes,sou peludo por completo e tenho uma tatuagem nas costas,uma fênix. Sou um cara rústico, gosto de cerveja,gosto de sexo bruto e curto umas belas putarias.Não gosto de me rotular,sinto prazer com homem e com mulher,mas para todos os fins sou bissexual,sou bem sucedido,tenho grana e sempre vivi tranquilamente. Desde criança tenho um amigo para todas as horas, Caio, temos a mesma idade e o mesmo tipo físico,somos tão parecidos que muitas vezes nos confundiam com irmãos,somos aqueles amigos que se conhecem pelo olhar,por tudo,aprontávamos muito e sempre que precisava nos ajudávamos. Sempre achei Caio muito bonito mas nunca pensei nele de outra maneira que não fosse um irmão,ele sempre soube que eu topava qualquer parada na hora do sexo e nunca havia se importado com aquilo.
Caio conheceu uma garota e se apaixonou,foi nessa época que senti algo estranho,não entendia na época,mas eu me mordia de ciúmes ao ver ele com Carolina,mas nunca disse nada,ficava na minha,jamais poderia dizer algo,afinal nem eu entendia o que estava acontecendo. Foram quatro anos de namoro,dois de noivado e então o dia da despedida de solteiro havia chegado,íamos a um clube de strippers, para zuar fomos todos os caras de smoking,alugamos uma limusine.
Estava tudo no maior clima de zueira e descontração,mas eu estava apreensivo,era o último dia para falar algo antes que fosse tarde demais. Chegamos na porta da boate,os outros quatro amigos saíram na maior algazarra. Caio estava prestes a sair,puxei ele pelo braço,ele me encarou sorrindo e sentou ao meu lado.
– O que foi cara? – ele perguntou me olhando nos olhos.
Encarei ele sem ar,olhei bem nos olhos dele e soltei:
– Eu quero você pra mim,não posso te deixar ir embora sem ter você pra mim.
– Que? – ele disse pasmo.
– Eu. Quero. Você – eu disse e puxei ele pra mim,fui beija-lo e ele me empurrou,não agressivo,mas empurrou.
– Fer,você ta bêbado já? – e saiu me deixando ali sem saber o que fazer.
Fumei um cigarro e resolvi entrar,eles estavam sentados em um sofá de couro preto,belas mulheres rebolavam no colo deles,me sentei e uma japa gostosa subiu no meu colo,rebolando como uma safada,eu encarei Caio,ele me olhou sem jeito,não sorriu e não Fez nada,só me olhou. Uma ruiva deliciosa rebolava no colo dele e seu olhar estava no meu,a japonesa se esforçava para me chamar a atenção,mas eu queria aquele cara hoje,eu queria meu amigo. Eu nem imaginava se ele estava puto ou não,talvez ele nem falasse mais comigo ou falasse claro que eu não podia querer ou sentir aquilo.
Bebi até não poder mais,mas não fiquei bêbado,fiquei alegre apenas,evitei ao máximo ficar ao lado de Caio pois ele também me evitava,porra o que eu estava pensando? O cara ia casar amanhã, eu vinha com uma dessas? Não tinha me declarado nem nada,mas tinha assumido meu desejo por ele,tinha dito que queria ele,mas eu queria,queria mesmo,queria ter ele na minha cama nem que fosse por uma vez,uma noite,eu queria que ele fosse meu.
Lá pelas tantas da madrugada,a maioria se despistou ,entrei na limusine,eu,Caio e um dos nossos amigos, o motorista levou nosso amigo,depois ele perguntou aonde me levaria,fui responder mas fui interrompido.
– Ele vai ficar comigo no hotel – respondeu Caio.
Encarei ele,mas ele não me olhou.
Seguimos para o hotel,meu pau já estava duro desde o momento que fui interrompido.
Entramos no hall,silêncio. Etramos no elevador,Silêcio.
Ele abriu a porta e entrou e foi direto ao banheiro. Sentei no sofá,me servi de uma dose de whisky,acendi um cigarro e fiquei ali,pensando mas sem pensar em nada.
Caio demorou bastante,saiu do banho molhado,de toalha branca em,rolada na cintura,o corpo perfeito e forte como o meu,ele me olhou,deixou a toalha cair,seu pau estava duro e era tão grande quanto o meu,ele me olhava com um olhar assustadoramente erótico,fiquei sem ar ao vê-lo completamente nu na minha frente,ele veio andando,sua bunda carnuda,suas coxas,o pau duro,o corpo molhado e peludo,ele veio lentamente até mim,parou na minha frente,pegou meu copo de whisky,virou com tudo,tacou o copo no chão que quebrou na hora,me olhou másculo,sentou bem no meu colo,pegou meu cigarro,tragou me olhando,seu corpo molhava a minha roupa,sentia meu pau doer de tão duro,ele fumava e me olhava,eu não dizia nada,estava queimando de tesão,ele apagou o cigarro no cinzeiro,me olhou nos olhos,chegou bem perto,lambeu a minha boca.
– Você me quer? – ele gemeu baixinho no meu ouvido.
– Quero mais do que tudo – respondi pasmo com o jeito dele.
– Então vai ter que me prometer uma coisa.
– Ok
– Hoje eu serei seu,hoje você é meu,quero que você entenda que isso aqui vai ser uma coisa de macho com macho,se você vai ser minha despedida de solteiro,quero que seja com grande estilo. Prometa que vai me mostrar como se transforma um macho em puta!
– Porra Caio,prometo.
Puxei ele bem forte,agarrei ele com meus braços fortes,senti o peso daquele homem no meu colo,beijei sua boca,ele abriu a boca para que minha língua entrasse dentro de sua boca,e nos beijamos,que beijo,a língua dele penetrava a minha boca de maneira desesperada,eu beijava sua boca com tesão,com vontade,ele puxava meus cabelos,me puxava pra ele,sentia sua bunda carnuda e enorme rebolando no meu colo,aquilo sim era uma lap dance,minhas mãos foram andando por aquele corpo enorme,apertei aquele bundão com as mãos,senti o gemido dele pela minha boca,senti o corpo dele se arrepiando,apertava a bundona dele,abri com as mãos fortes aquele rabão suculento,passei o dedo e senti o cu dele,estava quente e levemente úmido,senti as pregas,intactas,passei o dedo,levei ao nariz para sentir o cheiro do rabo dele,ele me olhou quase apaixonado quando fiz isso,levei o dedo a boca e chupei olhando para ele,ele pegou a minha mão e chupou o dedo me olhando,nos beijamos novamente,ele arrancou a minha gravata e juntos o meu paletó,ele rasgou a minha camisa com os dentes,os botões pularam por toda a sala,ele beijou meu peitoral forte e peludo,senti um arrepio com a língua dele nos meus mamilos e sua barba roçando os pelos do meu peito,puxei ele e o beijei novamente,minha língua passou por sua barba,mordi seu queixo com força,ele gemeu,lambi seu pescoço,chupei com vontade,minhas mãos naquele bundão delicioso,fiquei de pé,abri o zíper,arranquei os sapatos,tirei as meias,arranquei a calça e fiquei de boxer branca bem na cara dele.
Meu pau fazia a cueca ficar estufada,parecia que o tecido não ia resistir por muito tempo,meu pau estava mais duro do que jamais estivera,a cabeçona de cogumelo já vazava um liquido viscoso que molhava levemente o tecido da cueca.
Ele me olhava,olhava o meu pacote,sorri pra ele,peguei na mão dele e coloquei em cima do meu pacote,ele apertou com propriedade,gemi forte,senti um fogo me possuindo,aquela noite ia ser barra pesada.Caio foi descendo a minha cueca bem lentamente,meu pau saltou bem na sua cara,era enorme e maior que a rola dele,a cabeçona babava,as veias saltadas,a grossura,o saco enorme e peludo,ele me olhou e depois olhou meu pau,se ajoelhou bem na minha frente,segurou a rola com as duas mãos,puxou a pele para baixo expondo a minha cabeça por completo,mordi o lábio inferior olhando para ele,ele abriu a boca e sua saliva escorreu adoravelmente,sorri torto pra ele,ele colocou a cabeça na boca,senti um arrepio forte percorrer todo o meu corpo,a boca dele no meu pau,ele foi abrindo mais,a rola entrando na boca quente e carnuda dele,foi engolindo,foi socando tudo,quando ela estava toda dentro da boca dele ele me olhou,com uma carinha de pidão,uma carinha de realização de um sonho,meu pau pulsou na língua dele,ele então fechou os olhos,e começou a pagar um belo de um boquete,socava a rola fundo,engolia gostoso,deixei ele livre para matar a sede de pica que até então era desconhecida para mim.
Caio era inexperiente,mas era naturalmente bom naquilo,aos poucos foi pegando o jeito,sugando a minha piroca como jamais alguém fizera,ele babava no meu caralho,chupando com volúpia, sua boca estalava deliciosamente fazendo um barulho vulgar que me encantava,ele segurava o meu saco com a mão e minha pica viajava no interior da sua boca,sentia sua língua,sentia o céu da sua boca,sentia sua garganta,sua saliva,ele tirou o pau da boca,dois fios de saliva desenharam no ar,ele cuspiu na minha rola,bateu na sua língua,meu pau latejava de desejo. Ele me olhou e disse:
– Sempre tive vontade de experimentar uma rola,como demorei tanto?
– Coloca de volta na sua boca.
Ele obedeceu,voltou a me chupar,socava com mais vontade,segurei os cabelos dele e comecei a foder a sua boca com empenho,fiz ele engasgar diversas vezes chegando a ter ânsia de vomito em algumas dela,ele me olhava,olhava pro seu macho,eu metendo a rola na boca dele,sentindo a garganta dele se abrir para mim,percebia a fome dele pelo meu caralho e aproveitava disso.
Tirei meu caralho todo babado da boca dele,abaixei e mandei ele abrir a boca,cuspi de maneira ríspida no bocão dele,ele me olhou adimirado,ele queria se sentir puta e eu era mestre nisso,ele continuou com o bocão aberto,cuspi novamente,beijei ele com intesidade,meti dois tapões na cara dele,soquei a rola novamente.
– Isso seu puto,chupa direito esse caralho porra! Mostra como ele é importante pra você!Você quer essa rola?!
Ele tirou a rola da boca para responder.
Meti um tapa tão forte na cara dele que ele assustou.
– Mandei tirar a rola da boca? MANDEI PORRA? RESPONDE COM A CARALHA INTALADA NA BOCA,QUERO OUVIR SUA VOZ ABAFADA COM MINHA ROLA!
Ele gemia com a rola na boca,me olhava admirado,chupava,eu dava tapas na cara dele,socando a vara na garganta dele.Puxei ele para cima com força,beijei sua boca,puxando ele pelas ancas,aquele bundão carnudo. Fomos andando para o quarto,joguei ele na cama,fiquei olhando o meu desejo ali,largadão na cama,o pau duro babava e implorava pela minha boca,fui me rastejando até seu pau,cheirei seus pelos pubianos,senti o odor de macho que emanava dali,peguei na pica duríssima dele,bati uma de leve,cai de boca abocanhando de uma vez a rola dele por completo,ouvi seu urro de prazer,soquei fundo a vara dele,senti o gosto,senti como estava dura e pegando fogo,as veias irrigadas de sangue,socava a rola na boca,babava na sua benga,chupava com maestria,ele gemia,tremia,pedia mais,eu dava mais,socava a rola na garganta,olhava pra ele,cuspia,chupava o saco dele,bola por bola,cuspia,coloquei as pernas dele pra cima,aquele rabão peludo,o cuzinho apertadinho piscava pra mim,ele arfava,abri as nadegas dele com as mãos,cheirei aquele cu com tesão,não sei se você já sentiu o cheiro de um cu bem másculo,um cheiro delicioso,apetitoso,salivei com aquele rabão carnudo e peludo,dei dois tapas fortes,meus dedos ficaram marcados ali,beijei delicadamente bem no meio do cu dele,um selinho,ele gemeu alto,com as próprias mãos ele abriu o rabo dele pra mim.
– Já sentiu uma linguada no cu?
– Nunca.
– Vai pirar na minha língua – gemi pra ele quase como uma ameaça.
Lambi as pregas,ele arfou,ficou ofegante,soquei a língua bem no meio daquele cu,porra que cu quentinho tem meu amigo,lambi de novo,deixei a língua rija e comecei a tentar penetrar o cu dele,socava e ia deixando o rabo dele bem úmido,soquei a língua certeira dentro do cu dele,ele gritou,gritou com a minha língua dentro dele,olhei nos olhos dele com a bunda dele enfiada na minha cara,sentia o cheiro do sacão dele,socava a língua ali,ia fazendo círculos,transformava aquele cu numa bocetinha pra meu uso,dei dois tapas fortes novamente em sua bunda,ele gostava de apanhar,comecei a foder com desejo aquele rabo,então soquei um dedo lentamente naquele rabo,ele mordeu meu dedo com o cu.
– Relaxa esse cu,RELAXA PORRA!
Ele relaxou,soquei o dedo inteirinho,fiquei com o dedo lá,sentindo como era quentinho e apertado ali dentro,tirei e soquei de novo,tirei e chupei o dedo.
– Cara,que gosto bom que tem esse seu rabo. Esse rabo já foi de alguém?
– Não,nunca! – ele arfou em resposta.
– Vou ser o seu primeiro macho.
– Vai.
– Vou ser teu dono.
– Sempre foi.
Soquei mais um dedo nesse papo,ele tremia,seu corpo enorme já apresentava leves gotas de suor,ele iria ficar encharcado de suor pois estavamos apenas no começo.
Deitei de bruços. Ele entendeu o recado,socou o rosto no meio da minha bunda,senti sua barba,ele abriu as bandas da bunda com as mãos,soltou um assobio ao ver meu cu peludo,lambeu,fiquei extasiado,sentou a língua no meu cu,chupando com vontade,rebolei na cara dele,dando um show de cu para o iniciante,ele estava abobado com o meu rabo,deixei ele ficar doido com meu rabo enorme na cara dele.
Mandei ele deitar de bruços e fui na cozinha pegar umas coisas.
Voltei com uma cestinha com mel,cerejas frescas,morango,cubos de gelo champagne.
Peguei um cubo de gelo e soquei delicadamente dentro do cu dele,ele gemeu ao sentir aquele gelo dentro dele,deliciosamente ele cuspiu com o cu o gelo para fora,soquei na boca aquele gelo e com a ligua bem gelada soquei ela dentro dele,ele gemia sentindo aquilo,soquei o gelo La dentro e mandei ele segurar,o gelo foi derretendo dentro dele e água vazou deliciosamente de dentro daquele cu,soquei o dedo e senti o rabo dele geladinho,passei dois dedos na portinha do cu dele,soquei delicadamente,ele tremia,peguei outro gelo e coloquei na boca,fui assoprando e subindo em cima dele,soltei o gelo na nuca dele,chupei sua orelha,meu pau passando na bundona dele,sentamos um de frente para o outro,ele pegou um gelo,passou nos meus mamilos,chupou demoradamente,me deixando excitadíssimo,peguei uma cereja e dei na boca dele,ele mordeu,nos beijamos,ele passou a cereja para a minha boca,mastiguei e devolvi para ele que engoliu com vontade,peguei o mel,deixei escorrer na boca dele,nos beijamos sentindo o doce do mel em nossas bocas,deixei mel cair no meu pau,ele rapidamente começou a lamber,deixei mais mel cair lambuzando meu pau e a boca dele,deitei ele de frango assado,agitei bastante a champagne,abri bem próximo ao rabao dele,soquei rapidamente o gargalo superficialmente no rabo dele o que fez com que a champagne inundasse o rabo dele rapidamente,o jato invadiu ele,ele gemeu,arfou,sentiu uma leve dor e um prazer inigualável,quando tirei a garrafa uma fonte de champagne saia dali,soquei a boca para sorver todo o liquido,ele gemeu pra mim delirando com aquele ato.Se levantou e me puxou com força bruta,beijou minha boca desesperado.
– Me come- ele sussurrou – eu te imploro,me come.
Deitei na cama,mandei ele sentar e mim,teria que ser assim para ele poder controlar,eu estava com muita vontade de come lo e sabia que ia machuca lo com a minha sede. Fui pegar a camisinha,ele segurou no meu braço.
– Não – ele me encarou – quero você assim,quero teu pau dentro de mim assim,confio em você.
Porra aquilo mexeu comigo,o jeito que ele falou. Éramos amigos há anos,eu sabia que não era certo,mas ele queria e eu realizaria todos os desejos daquele putinho,era a noite dele.
Ele ajeitou seu corpo,meu pau bem na portinha do seu rabo,tentou sentar,doeu,parou,eu esperava paciente.
Foi sentando,a pica entrando lentamente,a carinha de dor dele,a rola ia invadindo,eu podia ouvir as pregas intactas dele se rasgando para mim,fui entrando no rabo dele,sentindo o cu dele estrangulando meu pau,a maciez daquele rabo,como estava quente,como estava deliciosamente muito bem lubrificado,ele foi sentando,olhos fechados,mordendo os lábios,assim que sentou ele se apoiou no meu peito,sentou,abriu os olhos,nunca vou esquecer do olhar dele naquela hora,não sei explicar o olhar,mas foi a coisa mais sensual que já tinha visto.
Meu pau dentro dele como eu sempre sonhara.
– Sobe e desce no meu pau.
Ele obedeceu,começou a dançar para mim,subindo e descendo no meu caralho,ele sentava devagar,ia se acostumando com meu pau,ele tremia e estava todo suado,aquele homão em cima de mim,aquele rabo carnudo,ele afundava meu pau dentro dele,gemendo deliciosamente baixo.Assim que ele acostumou eu o virei com tudo,coloquei ele de frango assado,comecei a socar mas forte,ele gemendo,eu fui socando cada vez mais forte,cada vez mais ritmado,fui mostrando meu poder,minha força,meu pau invadindo aquele cu,meu saco estalando na bunda dele,o puto estava com o pau muito duro e babando para mim,fui entrando e saindo,entrando e saindo,entrando e saindo,quando dei por mim eu socava alucinado,chupava o dedão do pé dele, metendo com fúria a minha rola.
Ele estava silencioso,me sentindo dentro dele,passei a meter mais fundo,mais firme,ele então enlouqueceu,mordia a mão para não gritar.
– Tá sentindo meu pau dentro do seu cu? – gemi provocante.
– COME ESSE CU SEU PUTO,DESGRAÇADO,METE ESSA VARA.
-METO SUA PUTA,VAGABUNDA,OLHA COMO SEU CU TÁ RASGANDO PRA MIM!
-SUA CULPA,SAFADO!
-OLHA ISSO,TÁ SENTINDO,SEU CABAÇO GRUDADO NA CABEÇA DO MEU PAU?
-FILHO DE UMA PUTA,ME RASGA,DESCABAÇA ESSE CU,VAI,FODE!
-FODO ATÉ VOCÊ IMPLORAR PRA EU PARAR.
– NUNCA VOU FAZER ISSO,ME COME SEM PARAR,COME!
-VAGABUNDO,VAI SER MEU ESCRAVO,MINHA PUTA!
– JÁ SOU SEU DESGRÇADO,ESSA PICA JÁ ESCREVEU TEU NOME NO MEU RABO!
– VADIA,SAFADO,FILHO DA PUTA,ENGOLE ESSE PAU ASSIM COMO TUA BOCA ENGOLIU.
– ME VIRA DO AVESSO,ME ESTUPRA,ME FODE,ME FODE,ISSO!
– VOU TE MATAR!
– MATA,AFUNDA ESSA PICA NO MEU RABO!
– VAGABUNDO.
– METE NESSE CU,METEEEEEEEEEE PORRAAAAA!
Eu metia tão forte que a cama rangia,o nosso peso estalava a cama,eu socava tão forte,o cu dele estava arregaçado e eu estava apenas começando,meu corpo pedia o dele e o dele implorava pelo meu,meu pau invadia aquele rabo,era uma espada,uma força me apoderava cada vez que ele abria aquela boca pra me chamar de desgraçado.Meu corpo escorria suor,o dele també.Eu metia,afundava meu pau naquele rabo carnudo,chupava o PE dele,metendo mais e mais,ele me olhava em estado de êxtase,deitei sob ele,as pernas dele pra cima,beijei sua boca,meu pau socado naquele cu. Coloquei ele de quatro no chão,soquei a vara no rabo dele e o meu pé na boca dele,metia fundo e forte e ele chupava meu PE,socava cada vez mais forte,ele nem conseguia falar nada,eu trepava,dava a trepada que ele merecia,batia o pezão na cara dele,socando a vara forte no cu dele.
Peguei ele no colo,com força extrema,soquei no rabo dele de pé,ele gritou,eu socava,sentia suas unhas arranhando as minhas costas,ardia,eu adorava aquilo,marcas de puta,ele era pesado,mas sempre fui forte,segurava ele pelas ancas,fodendo,a puta pulava no ar,nosso suor escorria pelo corpo,beijos,tapas,as unhas dele cortavam as minhas costas,ele cuspia em mim, eu cuspia nele,beijos e mais beijos,caímos no chão,de lado eu comia o rabo dele,fodendo forte,ele me olhava,me puxava pra ele,pedia mais com um olhar tão maravilhoso que eu não podia negar,soquei quatro dedos na boca dele,segurava sua mandíbula e fodia seu rabo com força,o barulho de nossos corpos se chocando ecoava pelo quarto,eu metia fundo,ele babava na minha mão,tirei a mão da boca dele e a cada estocada metia um tapa na cara dele,dava tapas e mais tapas,metendo forte e firme,gigando naquele rabo.
Subi nele,ele de bruços,metia,beijava seu pescoço,eu não podia parar de meter,afundava a rola nele,metia absurdamente,eu parecia ,um animal e minha presa poderosa não pedia arrego,era a primeira vez que eu podia me soltar,era a primeira vez que eu podia ser o animal que eu era,era a primeira vez que eu podia foder livremente. Caio era minha puta.
Tirei meu pau do cu dele,abri a bunda dele com as mãos,soquei a língua dentro dele,ele respirava ofegante. O cu dele estava arrombado,rasgado,vermelho,pulsava,piscava sentindo a minha falta,ele passou a mão no cu dele,assustado com o estrago,me olhou,me puxou e disse:
– MANDEI PARAR DE SOCAR ESSA ROLA DENTRO DO MEU CU?
Caimos na cama,soquei de novo,e ai a fodelança foi tensa,metia muito e muito forte,rápido,de lado,muitos beijos.
– TÁ ACHANDO O QUE? QUE IA SER FACIL FODER ESSE RABO? TÚ NÃO TÁ COMENDO VIADINHO NÃO E NEM MULHER,TÚ TÁ COMENDO MACHO!
– FILHO DA PUTA,VOU ACABAR COM A SUA RAÇA,AMANHÃ TU NÃO SENTA NEM POR DECRETO.
– FODE PRA EU SENTIR A DOR NA HORA QUE ESTIVER BEM NA FRENTE DO PADRE,NA HORA QUE EU FOR DIZER SIM VOU SENTIR A FISGADA NO MEU CU.
– VAI SE CAGAR TODO,NÃO VAI TER PREGAS NUNCA MAIS,OLHA MEU PAU COMO SOCA NO SEU CU,FILHO DE UMA PUTA,ARROMBADO!
– METE SEU VAGABUNDO,ARROMBA,QUERO ME CAGAR TODO MESMO,QUERO FICAR COM ESSE CU COM UMA CRATERA,METE,METE SEU FILHO DA PUTA.
– DESGRAÇADO,OLHA ISSO,OLHA.
Tirei o pau do cu dele e soquei tranquilamente quatro dedos no cu dele,fodia ele com os dedos,ele me olhava abismado,mortificado de tesão.
– ISSO SEU PUTO,ENCHE TUA MÃO COM O MEU CU.
Quando fui socando meu pau novamente soquei os dedos na boca dele.
– SENTE O GOSTO DO SEU RABO NA MINHA MÃO,SENTE O GOSTINHO DESSE CU,DESSE CU DE PUTA!
– VOCÊ TRANSFORMOU ESSE CU EM CU DE PUTA,ARROMBA SEU SAFADO,QUERO ESSE CU RASGADO!
– VOU RASGAR VOCÊ INTEIRO.
– ME RASGAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!
Dei tantos tapas nele e ele começou a revidar,nos estapiavamos e eu fodia o rabo dele.
Senti meu gozo,senti o jato chegando forte,passei a meter mais apressado.
– VOU GOZAR PORRAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!
Gozei,cai em cima dele quase desfalecido,meu pau jorrava porra dentro dele,o safado ainda rebolava pra mim,o cu dele ia transbordando o meu leite,ele gozava na barriga ao mesmo tempo se melando inteiro,passei a mão espalhando a porra dele pelo corpo todo,ele pegava a porra e passava na minha boca,nos beijávamos.
Tirei meu pau e vi a porra vazando daquele cu arrombado.
Coloquei a boca ali.
– Devolve essa porra pra mim!
Caio fez força e a porra foi saindo e caindo na minha boca,senti o gosto forte do meu gozo,fui até ele beijei sua boca e a porra foi mudando de boca,ele foi engolindo tudo.Nos beijamos com fervura.
Caídos no chão e ali permanecemos.
– Você ta legal? – eu disse depois de um tempo.
– Que loucura,que loucura,o que foi isso?
– uma trepada bem dada!
Ele riu,deitou no meu peitoral,beijou meu peito.
– Porque demoramos para fazer isso?
– Acho que tudo tem hora para acontecer!
Caio beijou a minha boca,fomos para o chuveiro,ele entrou e deixou a água quente cair.
– Preciso mijar – eu disse.
– Mija em mim – disse Caio me surpreendendo.
– Que?
– Vi isso em um filme,sempre tive curiosidade.
-Vou ai então.
-Não.
Ele saiu do chuveiro,molhado,ajoelhou na privada,abriu a boca ali e ficou me olhando,meu pau meia bomba,cara que submissão,eu fiquei louco com aquele machão com a cara na privada pronto pra eu mijar.
Meu mijo começou saindo bem lentamente,estava forte,pois tinha bebido whisky a noite toda,quente,foi escorrendo em Caio,acertando seu rosto,sua boca,seu corpo,caindo na privada,ele se banhava no meu mijo,deixando molhar seu corpo,seu cabelo,percebi que alem de tudo ele engolia meu mijo,fiquei alucinado com aquela cena,mijei pra cacete,mijei até falar chega,ele estava ensopado com meu mijo,assim que terminei balancei a minha rola,ultimas gostas caíram nele,ai ele me fez pirar,foi sensual,ele passou a lamber a privada,limpando meu mijo,ele socava a língua ali na borda me olhando,ajoelhei,beijei sua boca com afinco,ele estava cheirando meu mijo,nos beijamos e fomos bem devagar para o chuveiro,onde meu pau foi ficando duro e sem pestanejar ele me guiou para dentro dele.
– Amanhã eu me caso,mas hoje vou ser seu novamente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s